EVOCAÇÕES DO CINQUENTENÁRIO DO FALECIMENTO DE DELFIM SANTOS (1966-2016)

cartaz_delfim_santos

Motivação:

Quando Delfim Santos faleceu em Cascais, em 25 de setembro de 1966, os seus funerais transformaram-se numa sentida e concorrida homenagem de alunos e de colegas. Foi uma perda que teve grande impacto por ter sido sentida como inesperada e precoce, quer pela sua idade, 58 anos, quer pelo muito que haveria ainda a esperar de um dos mais carismáticos e dialogantes mestres da Universidade portuguesa.

Hoje, passado meio século sobre o infausto acontecimento, vão partindo os que o conheceram pessoalmente e a dimensão humana do pensador portuense arrisca-se a ser perdida.

Chegou o momento de abrir a pesquisa para novas temáticas, onde um pensamento que tem conhecido alguma fortuna crítica em Portugal e no Brasil encontre agora renovada expressão no trabalho sobre as fontes biográficas, documentos oficiais, vida social e novas áreas, além da Filosofia e da Pedagogia, como as da Psicologia e da Literatura.

Surpresa e inovação são as linhas mestras destas evocações:

  • não tanto Delfim Santos filósofo, já estudado, mas mais o psicólogo e caracterólogo, que têm ficado na sombra;
  • não tanto o pedagogo, mas mais o professor liceal e o polemista sobre temas do ensino, menos conhecido;
  • não somente o professor, mas também o cronista na imprensa, numa espécie de “aula alargada”;
  • não apenas o homem de cultura, mas sobretudo o apaixonado leitor e crítico da literatura e até do cinema.

Objetivos:

  • Proceder ao levantamento do Estado da arte nos estudos sobre Delfim Santos de 1966 até hoje;
  • Suscitar renovado interesse pela obra delfiniana;
  • Relançar a personalidade de Delfim Santos, revelando um pensador de interesses mais vastos do que aqueles até aqui trabalhados;
  • Publicar dossiers epistolares e biográficos;
  • Lançar novas temáticas e linhas de pesquisa.

Novos temas em foco:

  • Delfim Santos professor liceal;
  • Delfim Santos e o leitorado na Alemanha;
  • Delfim Santos e a Faculdade de Letras de Lisboa.

Obras para estudo:

  • Fundamentação Existencial da Pedagogia;
  • Temática da Formação Humana;
  • Linha Geral da Nova Universidade;
  • A intervenção de Delfim Santos na imprensa periódica.

Exposições:

  1. BNP – Exposição de 23 de setembro a 30 de dezembro de 2016;
  2. BFLUL – Exposição de 19 de setembro a 7 de outubro de 2016;
  3. Hemeroteca Digital – Exposição virtual e física em setembro de 2016 e depois em arquivo.

a) PRIMEIRA TARDE DE SEXTA-FEIRA COM DELFIM SANTOS,  BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL, 21 DE OUTUBRO, 15:30H – 18:25H:

  • (15:30 às 16:00) – Visita Guiada à Exposição;
  • (16:00 às 16:30) – Artur Manso – Delfim Santos: considerações sobre poesia e pensamento abstrato;
  • (16:30 às 17:00) – Samuel Dimas – A crítica de Delfim Santos à interpretação monista da realidade operada pelo Positivismo;
  • (17:00 às 17:30) – Francisco Miguel Araújo – Delfim Santos e o espectro da 1.ª Faculdade de Letras do Porto;
  • (17:30 às 18:00) – José Maurício de Carvalho – Delfim Santos, a arte e a vida no diálogo com Ortega e Karl Jaspers;
  • (18:00 às 18:25) – Renato Epifânio – Apresentação de Nova Águia, 18.

b) COLÓQUIO «DELFIM SANTOS E A EDUCAÇÃO», INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA, ANFITEATRO 2, 28 DE OUTUBRO, 14:30H – 18:00H: 

  • Conferência de abertura
    António Nóvoa – Delfim Santos e a Educação;
  • Mesa-redonda
    Áurea Adão – O Centro de Investigação Pedagógica da Fundação Calouste Gulbenkian: uma conceção de Delfim Santos;
    Margarida Borges Ferreira – Delfim Santos e a introdução da Filosofia da Educação no debate pedagógico nacional;
    Joaquim Pintassilgo – Delfim Santos, o Liceu e a Formação de Professores;
    Justino Magalhães (Moderação e comentário)
  • Conferência de encerramento
    Manuel Ferreira Patrício – Amplitude e alcance do conceito de «formação humana» no pensamento filosófico pedagógico de Delfim Santos.

c) SEGUNDA TARDE DE SEXTA-FEIRA COM DELFIM SANTOS, BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL, 4 DE NOVEMBRO, 15:30H – 18:00H:

  • (15:30 às 16:00) – Visita Guiada à Exposição;
  • (16:00 às 16:30) – Rui Lopo – A propósito da correspondência de Agostinho da Silva com Delfim Santos;
  • (16:30 às 17:00) – Maria Teresa Santos – Uma plataforma para discussão filosófica da formação humana;
  • (17:00 às 17:30) – Mário Carneiro – Delfim Santos e Fidelino de Figueiredo: um diálogo possível;
  • (17:30 às 18:00) – Joaquim Pinto – Itinerarium Ego Sum: Processo dramático de personalização em Delfim Santos.

d) SESSÃO EVOCATIVA DO DIA DO PATRONO, ESCOLA PROFESSOR DELFIM SANTOS, 7 DE NOVEMBRO, 17:00H:

  • Evocando a vida e a obra do Professor Delfim Santos – Maria de Lourdes Sirgado Ganho.

e) CONFERÊNCIAS DE ENCERRAMENTO DO ANO DO CINQUENTENÁRIO DELFINIANO NA BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL, 16 DE DEZEMBRO, 16:00H às 18:00H:

  • (16:00 às 16:30) – Visita Guiada à Exposição;
  • (16:30 às 17:00) – Manuel Cândido Pimentel – Delfim Santos e a noção de cultura;
  • (17:00 às 17:30) –  António Braz Teixeira – Delfim Santos e o Direito;
  • (17:30 às 18:00) –  Pinharanda Gomes – Delfim Santos e São Tomás de Aquino.

Publicações previstas:

  • Correspondência entre Fidelino de Figueiredo e Delfim Santos – já publicada;
  • Correspondência entre Agostinho da Silva e Delfim Santos;
  • Correspondência entre Joaquim de Carvalho e Delfim Santos;
  • Correspondência entre Delfim Santos e o grupo da presença;
  • Volume 3 da revista Delfim Santos Studies;
  • Catálogo da exposição da Biblioteca Nacional de Portugal em e-book.

Presidência de Honra:

  • M.ª Manuela de Sousa Marques Pinto dos Santos (†)

Comissário Nacional:

  • António Braz Teixeira

Comissário da exposição na BNP:

  • Filipe Delfim Santos

Comissão Organizadora:

  • Jesué Pinharanda Gomes
  • João Carlos Oliveira
  • Joaquim Pintassilgo
  • Joaquina Cunha
  • José Maurício de Carvalho
  • José Pedro Serra
  • Justino Magalhães
  • Manuela Rêgo
  • Maria de Fátima Lopes
  • Maria Ondina Pereira Gonçalves
  • Mário Carneiro
  • Olga Pombo
  • Pedro Estácio Santos
  • Renato Epifânio
  • Rui Lopo

Apoios:

  • Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
  • Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra
  • Biblioteca Nacional de Portugal
  • Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa
  • Escola Professor Delfim Santos
  • Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
  • Fundação Calouste Gulbenkian
  • Hemeroteca Municipal de Lisboa
  • Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
  • Instituto de Filosofia Luso-Brasileira
  • Revista Delfim Santos Studies
  • Revista Nova Águia

CHAMADA DE APRESENTAÇÕES

A Comissão Organizadora das Evocações do Cinquentenário do Falecimento de Delfim Santos anuncia uma

CHAMADA DE APRESENTAÇÕES 

para as diversas sessões que decorrerão durantes os meses de Outubro a Dezembro de 2016, em vários locais.

Os interessados deverão fazer chegar as suas propostas para o endereço: arquivodelfimsantos@gmail.com

com indicação do título, tema em que se insere e breve resumo

até ao dia 15 de julho de 2016.

resenha do professor Mário Carneiro ao livro da correspondência entre Fidelino de Figueiredo e Delfim Santos

capa_frenteMeu caro Filipe,

Em relação à publicação da correspondência entre FF e DS, que só após o meu regresso do Brasil pude ler: o seu texto faz uma boa introdução ao conteúdo geral da correspondência, enfatizando alguns aspectos pertinentes e fornecendo informação complementar útil.
Ainda que do ponto de vista do conteúdo (filosófico ou literário) não haja muito de relevante a salientar, as cartas mostram bem o elevado respeito e admiração que estes dois autores nutriam pelo labor intelectual um do outro. Mostram também como partilhavam a divergência em relação à cultura dominante no nosso meio académico (fechada, dogmática, administrativa) e o distanciamento em relação à cultura dominante nos Estados Unidos.
A leitura desta correspondência permite, a um leitor menos informado sobre o percurso intelectual de DS e de FF, formular uma ideia das vivências e dos contactos que cada um deles desenvolveu, em várias universidades estrangeiras.
Felicito-o por mais esta sua publicação.
Mário Carneiro
Investigador do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto