Delfim Santos e a filosofia clínica

Universidade Católica Portuguesa e Instituto Packter

Programa da Jornada de Estudos em Portugal

6 de novembro, terça-feiraUniversidade Católica Portuguesa, em Lisboa:

13h30 às 14h10

Lançamento do livro de José Mauricio de Carvalho

Lançamento da obra Delfim Santos e o desenvolvimento humano, de José Maurício de Carvalho (Professor Titular de Filosofia Contemporânea aposentado da UFSJ. Professor do Curso de Psicologia e Coordenador da Pós Graduação do UNIPTAN).

7 de novembro, quarta-feiraUniversidade Católica Portuguesa, em Lisboa:

14h30 às 15h30

Delfim Santos e a Filosofia Clínica: diálogos possíveis, com José Maurício de Carvalho.

8 de novembro, quinta-feiraUniversidade Católica Portuguesa, em Lisboa:

13h30 às 14h30

A filosofia existencial no pensamento de Delfim Santos, com Maria de Lourdes Sirgado Ganho.

14h30 às 15h30

Delfim Santos e a Psicologia, com Filipe Delfim Santos.

15h30 às 16h30

Delfim Santos: uma abordagem filosófica da crítica cinematográfica, com Filipe Delfim Santos.

9 de novembro, sexta-feira, Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa:

13h30 às 15h00

Direito e política em Delfim Santos, com António Braz Teixeira.

15h15 às 16h15

A Filosofia do Conhecimento de Delfim Santos, com Samuel Dimas.

16h15 às 17h15

A concepção de realidade em Delfim Santos, com Manuel Cândido Pimentel.

Delfim Santos e a religião

Carteio entre Samuel Dimas e Filipe D. Santos

Samuel Dimas <samueldimas @ meo.pt> escreveu no dia terça, 18/09/2018 às 14:43:

Filipe viva,

Desculpa o incómodo, mas preciso de te fazer uma pergunta. Como definirias a posição religiosa de Delfim Santos depois de se ter afastado do Cristianismo e ter adotado o pensamento fideísta de autores como Kierkegaard e Karl Jaspers ? Teísmo fideísta, deísmo ou agnosticismo?
Ab
Samuel Dimas

Filipe Delfim Santos <arquivodelfimsantos @ gmail.com> enviada 20 de setembro de 2018 às 03:09:

Olá Samuel,

Não é incómodo nenhum, estas perguntas são sempre bem-vindas. Mas a resposta é complexa. Tentarei uma síntese:

1. Eu começaria por contestar que Delfim Santos se tenha afastado do cristianismo. Afastou-se, isso sim, da Igreja evangélica, mais por razões pessoais e familiares, e veio depois a fazer amizade com padres e religiosos católicos, também fundamentalmente por motivos pessoais (poderei explicar isto em detalhe biográfico se quiseres). Após a sua juventude, deixou de se interessar pelo debate público de ideias propriamente religiosas, mas sem que isso significasse que as desvalorizasse, talvez exatamente pelo contrário.

2. Porém a matriz do seu pensamento é sempre basilarmente cristã. Em toda a sua reflexão é possível radicar o seu pensamento na cultura cristã, sobretudo bíblica, embora sem se lhe referir diretamente. É como um húmus mental que ele nunca renega, antes pelo contrário.

3. Isto dito, o menos delfiniano que pode haver é o arregimentar-se em posições estanques e/ou em rótulos. Delfim Santos não era homem de igrejas, de partidos, de falanges filosóficas que coartassem a sua liberdade de inquirição. Para ele o pensamento está em constante evolução, parar em algum degrau dessa ascensão não faz qualquer sentido.

4. Assim sendo, ele não adotou o pensamento de ninguém, e procurou sempre o seu próprio. Porém, ao apresentar cada pensador fazia-o com simpatia pelo seu esforço, pelo que os ouvintes das suas lições tendiam muitas vezes a atribuir-lhe as posições dos filósofos de quem ele expunha as ideias, fossem eles Sócrates, Platão, Aristóteles, São Tomás, Kierkegaard, Heidegger, Jaspers, etc. Tratavase apenas de os presentificar perante os alunos, não para os emular ou para seguir ninguém, como aliás sempre explicitou.

5. Estudioso da metafísica, estava muito longe do materialismo, mecanicismo e, claro, do positivismo, neopositivismo, marxismo, etc., mas sobretudo do racionalismo redutor e empobrecedor, incapaz de abertura ao Mistério.

6. Agnóstico seria a posição mais afastada entre aquelas aqui enumeradas, e ainda mais distante da sua sensibilidade seria o ateísmo, pelo que atrás ficou dito. Deísmo está com certeza também muito longe, mas teísmo não serve para definir a sua atitude. Para ele a questão religiosa não se coloca em nenhum destes termos historicamente determinados.

7. Se eu fosse mesmo obrigado a usar um rótulo eu usaria espiritualismo, no mais alto sentido religioso da palavra. Uma religião do Espírito seria a sua, seja este Espírito entendido como o laço de união do Homem com Deus, com o Transcendente, com os outros Homens, com o Inefável ou simplesmente com o Mistério Absoluto. Ao teu dispor, fs.

Samuel Dimas <samueldimas @ meo.pt> escreveu no dia quinta, 20/09/2018 às 12:26:

Obrigado Filipe pela pronta resposta,

A minha dúvida surgiu exatamente por ter a perceção daquilo que disseste em geral. Assumi o seu afastamento do Cristanismo pelo que li da sua correspondência e não se refere apenas ao enquadramento eclesial ou religioso, mas sim às questões teológicas sobre a própria conceção de Deus. Ao espiritualismo de que falas, acerca de uma relação com o Inefável e o Mistério absoluto, a tradição filosófica e teológica dá o nome de deísmo, pois está aquém e além de uma posição confessional, nomeadamente pela recusa ou negação da historicidade de Cristo como encarnação de Deus e pela recusa de uma intervenção providencial de Deus na história ou de uma presença de Deus no homem pela ação do Espírito Santo.

A essa eventual a6tude de fidelidade à tradição religiosa cristã em termos privados que não se reflete publicamente na reflexão filosófica através de uma teologia (no sen6do aristotélico), assumindo que essas as questões são da ordem da fé (religião) e não da ordem da razão (filosofia), porque Deus é absolutamente transcendente e não pode ser conhecido nem pensado, a tradição filosófica e teológica dá o nome de teísmo fideísta. Creio que a crí6ca que Delfim Santos faz a Sampaio Bruno e a Leonardo Coimbra por terem um pensamento essencialmente teológico se situa neste âmbito da chamada teoria da dupla verdade ou cisão entre a fé e a razão.

Sim estou de acordo, não se trata de ateísmo ou de agnos6cismo, e se me disseres que Delfim nunca deixou de acreditar em Cristo, independentemente da concre6zação religiosa que essa fé assumiu em termos histórico-sociais, podemos concluir situar-se no âmbito de um teísmo fideísta. Se deixou de acreditar em Cristo como filho de Deus ou como manifestação de Deus na história, só poderá situar-se no plano deísta tal como é concebido hoje. A não ser que tenha proposto um outro termo para significar a sua relação com o divino e a transcendência, por exemplo no espetro dos gnos6cismos, o que não nos parece. Panteísta nunca será pelo seu radical dualismo ou pluralismo ontológico.

Estes rótulos são nomes que significam, mesmo que fiquem distantes do que pretendem significar. Mas não temos outra maneira para falar da realidade e mesmo que seja apenas por aproximação temos de nos socorrer deles, porque senão não nos entenderíamos e tudo seria igual a tudo, bastando calar.

Tenho estado a reler a obra atentamente, é na verdade um grande filósofo.

Abraço amigo
Samuel

Filipe Delfim Santos <arquivodelfimsantos @ gmail.com> enviada 21 de setembro de 2018 às 18:15:

Olá Samuel,

O problema com os rótulos não é meu. É que Delfim Santos é um pensador estruturalmente antirrótulo. Se estivesses a conversar com ele ao vivo verias como pouco lhe interessavam essas circunscrições limitadoras, pois o pensamento (ou reino do Espírito) é fluido, ilimitado e sem fronteiras, o que o carateriza é precisamente a Liberdade.

Podem existir milhões de nuances e as pessoas não «são», vão sendo, vão mudando de posição, não podem ser olhadas monoliticamente. Pode haver continuidade, mas existem também transmudações e até ruturas.

Mas vamos por partes, que isso é bem delfiniano: Ateísmo, Agnosticismo, Gnosticismo, Panteísmo – sim, tudo isso é inválido para caraterizar a posição de Delfim Santos. Existe, desde a formação bergsoniana recebida de Leonardo, até à sua superação hartmanniana adquirida em Berlim, uma vontade de contradição do racionalismo (filosofia de engenheiros, como lhe chamou) e seus subprodutos (neopositivismo etc.). Isto porque epocalmente ele se insere nesse momento de reação espiritualista que é a primeira metade do século XX, contra um século XIX positivista/realista. É o regresso ao romantismo por um lado, mas também o modernismo, o jungismo, tudo aquilo que denuncie e ultrapasse os limites da razão e do consciente e impugne a pobreza dos antimetafísicos.

Recorda que Delfim Santos foi, de entre TODOS os discípulos de Leonardo, o ÚNICO que em total fidelidade recusou colaborar com a cruzada racionalista e antileonardina do A. Sérgio e da Seara. Isto apesar do assédio moral desse Sérgio, das boas relações que entre eles se estabeleceram ao nível da cortesia, a até de o dito AS. o citar extensamente na Seara. Apesar também de todos os seus colegas terem caído no canto da sereia (Marinhos, Santanas, Casais, Agostinhos e quejandos). Se a tudo isto somares que por princípio Delfim Santos nunca recusava colaboração para qualquer revista que fosse, viesse de onde viesse, então basta que leias as cartas para poderes entender o alcance e a radicalidade dessa recusa, que é uma das posições públicas mais estruturantes dele.

Espiritualismo – Ele subscreveria totalmente «presença de Deus no homem pela ação do Espírito» mas sem acrescentar-lhe o «Santo», pois isso já é muito delimitado religiosamente, digamos que são termos muito circunscritos. O Espírito tout court, o Geist dos filósofos é bem mais amplo do que o «Espírito Santo» enquanto persona da divindade cristã.

Cristo, Salvador da Humanidade? – Aqui eu poria a questão assim: numa linha quase socrática e certamente humanista, o centro da filosofia de Delfim Santos é o Homem. O que o precupa é a existência humana, as suas perplexidades e angústias, as suas glórias e misérias. Por isso ele recusa centralidade a quaisquer questões sobre Deus, sobre o Homem-Deus, ou sobre o Deus-Homem, já que as suas grandes interrogações versam o Homem-Homem.

Será que se pode dizer que é uma filosofia pósteológica? SIM. A primeira em Portugal que não é teológica e muito menos antiteológica, mas pósteológica porque critica essa adscrição em Bruno e em Leonardo mas não por animadversão, e simplesmente porque o seu foco, filho de novos desafios e de novos tempos, é já outro. Pós-cristã? NÃO. E não porque o cristianismo constitui o ADN sempre inscrustrado na sua reflexão antropológica e cultural. Ele nunca renegou a cultura bíblica aprendida com os protestantes, embora nesse caso o cristianismo também pudesse estar presente pela negação: mas não se trata disso, ele assimilou a religião cristã, até porque esta também era humanista, ainda que de forma diferente da dos clássicos. Creio que esse é o aspeto mais importante para Delfim Santos, que valorizava igualmente o potencial ético e exortativo, estético e literário dos escritos bíblicos, que muitas vezes cita referenciandoos ou não.

Já agora, se me permites este aparte: quando eu digo que Delfim Santos reconhecia a mensagem cristã como humanista é porque o cristianismo já divinizara um Homem, aproximando o Homem de Deus com a Encarnação a um nível sacrílego para os judeus e muçulmanos, para a Transcendência Absoluta. Essa proximidade de Deus ao Homem resultou do diálogo do cristianismo com a filosofia helénica, mas também daquele que a nova religião entabulou com as outras religiões antigas, para quem os homens eram deuses em potência, se e quando capazes de realizar o seu potencial divino (o mesmo se passa no advaita vedanta, claro). O cristianismo marca um compromisso entre a divinização dos Homens, pelos antigos, e a divinização de UM Homem na mensagem dos Evangelhos, assim gerando um caminho e exemplo, algo que o Homem pode imitar: como diz José Régio, não podes imitar Deus (e ai de nós se o tentamos, é a proposta venenosa da serpente) mas podes e deves imitar Cristo, espelho de virtudes para o Homem, ou isso mesmo que os ingleses chamaram «the manliness of Christ».

Questões ociosas – o debate sobre a historicidade vs. simbolicidade de Cristo que, centrado na História, interessa mais à história do que à religião, ao contrário do que muitos pensadores religiosos pensam; o debate sobre a humanidade vs. humanidade/divindade de Cristo, já esgotado em posições autojustificativas que cada um toma segundo lhe apraz. Como muito bem dizes, ao filósofo e ao religioso deve interessar-lhes Cristo, e obviamente não Jesus. Cristo é em si mesmo uma proposição soteriológica. Não estou eu de acordo em que religião e fé sejam a mesma coisa «da ordem da fé (religião)», mas o que eu penso ou não penso certamente não interessa para este diálogo que versa sobre Delfim Santos.

Sempre ao teu dispor,
f.

Samuel Dimas <samueldimas @ meo.pt> 21 de setembro de 2018 às 21:54:

Obrigado Filipe,

Sim, no essencial, estou de acordo contigo. Nunca foi preocupação de Delfim Santos fazer uma teologia filosófica. Mas a sua reflexão sobre a pluralidade ontológica é um bom contributo para a metafísica atual.

Abraço,
Samuel

Homenagem a Delfim Santos

· Evento criado por Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema

SET25

Homenagem a Delfim Santos

Público

Cinemateca – Programação

CICLO HOMENAGEM A DELFIM SANTOS
Delfim Santos marcou a sociedade portuguesa do século XX graças a um caminho de excelência na pedagogia e na filosofia que fê-lo desenvolver, em paralelo, um percurso próprio na crítica de cinema. Por ocasião dos 50 anos da sua morte, a Cinemateca associa-se à celebração da sua memória, e às iniciativas organizadas em torno dela (exposição e conferências na Biblioteca Nacional, a publicação de um dossier digital na Hemeroteca Municipal de Lisboa, entre outras evocações), para dedicar-lhe uma sessão da sua programação, onde se projetará uma das várias obras sobre as quais lançou o seu olhar e a sua escrita.
25/09/2017, 19H00 | SALA M. FÉLIX RIBEIRO
Ciclo Homenagem a Delfim Santos
SIE FANDEN EINE HEIMAT
ALDEIA BRANCA
de Leopold Lindtberg
Suíça, Reino Unido, 1953 – 98 min
25/09/2017, 19H00 | SALA M. FÉLIX RIBEIRO
HOMENAGEM A DELFIM SANTOS
SIE FANDEN EINE HEIMAT
ALDEIA BRANCA
de Leopold Lindtberg
com John Justin, Eva Dahlbeck
Suíça, Reino Unido, 1953 – 98 min
legendado eletronicamente em português | M/12
SIE FANDEN EINE HEIMAT será, como DIE LETZTE CHANCE (1945) ou DIE VIER IM JEEP (1950), um dos filmes mais reconhecidos da carreira do realizador austro-suíço Leopold Lindtberg (e integrante da competição do Festival de Cannes de 1953). Passada no contexto da Segunda Guerra Mundial e no centro do continente europeu (numa aldeia dos Alpes Suíços), a “aldeia” do filme é um lugar onde se juntam crianças refugiadas da guerra, uma história de amor entre dois dos seus instrutores, e a instrumentalização, por parte dos poderes políticos (e de quem sofreu com eles), do futuro de jovens vidas que se veem, hoje, sem raízes num continente que vive a maior das suas feridas. Primeira exibição na Cinemateca.
Sala M. Félix Ribeiro | Seg. [25] 19:00

Delfim Santos, crítico de cinema


O filme Aldeia Branca estreou em Portugal a 11 de agosto de 1954. A sessão comentada por Delfim Santos realizou-se no Cinema Império, no dia 25 desse mês.

É também conhecido como:

(original title) Sie fanden eine Heimat
Belgium (French title) Le village près du ciel
Brazil A Vila da Esperança
Switzerland (working title) (German title) Das Pestalozzi-Dorf
Switzerland (German title) Unser Dorf
Denmark Verdens hjerte
Finland Vain pieni kylä
Finland (alternative spelling) Vain pieni kylä …
Finland (Swedish title) Vår lilla by
France Le village près du ciel
France Notre village
UK The Village
Italy I figli della tempesta
Poland Wies Pestalozziego
Portugal Aldeia Branca
Sweden Vår lilla by
USA The Village
West Germany Das Pestalozzidorf
West Germany Kinder in Gottes Hand

Transcrição dos diálogos do filme

Embed from Getty Images