Colóquio Fidelino de Figueiredo, Filósofo

Delfim Santos construiu uma notável amizade intergeracional com Fidelino de Figueiredo (1888-1967), quase 20 anos mais velho do que ele, de quem se foi aproximando — inicialmente por ter sido o seu examinador em História, no Exame de Estado de 1934, no Liceu Pedro Nunes, e a partir do Pós-Guerra por via do Humanismo em que ambos vão confluindo, com a premência de recolocar a prioridade no Homem.

Foi recentemente publicada a correspondência entre ambos, rica de referências biográficas e com notas importantes sobre a vida cultural em Portugal e no Brasil.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O cinquentenário do falecimento de Fidelino de Figueiredo (1967-2017) não passou despercebido, pelo menos em Lisboa, cidade onde este notável pensador nasceu e faleceu, e onde hoje se refletiu sobre “Fidelino de Figueiredo, Filósofo”:

Participaram efetivamente deste encontro:

  • António Braz Teixeira – Contribuição de Fidelino de Figueiredo para a Historiografia da Filosofia Portuguesa
  • Filipe D. Santos – Filosofia da Arte em Fidelino de Figueiredo
  • Rui Lopo – A luta pela expressão: O ensaio é a soma de dois meios caminhos
  • Joaquim Pinto – Breves considerações acerca de uma onto-po(i)ética em Fidelino de Figueiredo.
  • Luís Lóia – Filosofia e Mito: Eudoro de Sousa, leitor de Fidelino de Figueiredo
  • Mário Carneiro – Pertinências do pensamento filosófico de Fidelino de Figueiredo
  • Renato Epifânio – Estudos de Filosofia e Literatura

O primeiro painel, que incluiu as 3 primeiras comunicações, foi presidido por António Braz Teixeira e o segundo, agrupando as restantes 4, por Patrícia de Figueiredo, neta do escritor.

Aspeto inicial da assistência

Primeiro Painel: Filipe D. Santos, António Braz Teixeira, Rui Lopo

Segundo Painel: Joaquim Pinto, Luís Lóia, Patrícia de Figueiredo, Mário Carneiro e Renato Epifânio

Na sua comunicação, Filipe D. Santos referiu que a obra de Fidelino é muitas vezes feita em diálogo com a de Delfim Santos. Entre outros exemplos, aduziu um passo de A luta pela expressão, em que Fidelino menciona um ensaio de Delfim Santos:

Outras vertentes desta interação podem ser constatadas no intercâmbio epistolar de ambos, que aguarda ainda tratamento histórico-filosófico.

HEMEROTECA DA CML: DELFIM SANTOS, MESA REDONDA

cartaz-hemeroteca

INICIATIVA DA HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA, 25 DE NOVEMBRO, SESSÃO NA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA, ANFITEATRO III, 17:00H – 19:00H:

  • (17:00 às 17:30) – António Braz Teixeira – Delfim Santos, a Política e o Direito;
  • (17:30 às 18:30) – Mesa Redonda: Fernando J. B. Martinho, Luís Ramalhosa Guerreiro, Filipe D. Santos – Os suplementos culturais e literários na imprensa de grande circulação, dos anos 20 aos anos 60;
  • (18:30 às 19:00) – Debate.

Inaugurada a “ROTUNDA PROF. DELFIM SANTOS” em Cascais

A vila de Cascais, desejando assinalar o Cinquentenário do Falecimento de Delfim Santos aí ocorrido (1966-2016), deliberou atribuir o seu nome à importante rotunda construída como remate da autoestrada A5. Esta homenagem, que associa perenemente o nome de Delfim Santos à localidade que ele preferia para veraneio, e onde inesperadamente viveu os seus últimos dias, deveu-se ao modelar interesse pela cultura e pela memória dos portugueses ilustres que tem animado a municipalidade de Cascais, dirigida pelo seu presidente Carlos Carreiras, e pelo presidente da União das Freguesias de Cascais e Estoril, António Pedro Morais Soares. O contributo decisivo para a articulação deste ato com as evocações do Cinquentenário em curso partiu do presidente da Fundação D. Luís I, Salvato Teles de Menezes, em conjunção com José Manuel Mendes, presidente da Associação Portuguesa de Escritores (herdeira da antiga Sociedade Portuguesa de Escritores da qual Delfim Santos foi presidente em 1962). A rotunda de Cascais junta-se agora, na toponímia portuguesa, às artérias dos municípios de Lisboa, Oeiras, Matosinhos e Évora, além de uma escola pública em Benfica, que ostentam o nome de Delfim Santos.

A inauguração foi coberta pelas equipas de reportagem da RTP, TVI e Correio da Manhã TV, que mostraram imagens nos seus respetivos notíciários:

20161118_170121

Aspeto da assistência antes do início da cerimónia:

20161118_170114

Momento do descerrar da bandeira pelos presidentes da Câmara e da Junta, por António Braz Teixeira e Filipe D. Santos:

img_818x4552016_11_19_04_07_44_576944©CorreiodaManhã

António Braz Teixeira, Presidente da Comissão Nacional para as Evocações do Cinquentenário do Falecimento de Delfim Santos:

20161118_170850cr

Uma das duas placas toponímicas que assinalam a Rotunda:

20161118_162410

Agradecimentos ao Coordenador Geral da Fundação D. Luís I, Pedro Vinagre Pereira, e a todos os que participaram na inauguração.

Ver também:

Memórias cascalenses de Delfim Santos

A mais antiga autoestrada portuguesa termina agora numa rotunda à qual, no dia 18 de novembro de 2016, foi atribuído o nome do Professor Delfim Santos, assinalando o hemicentenário do seu falecimento na vila de Cascais, joia da Riviera Portuguesa. Eleita como local de veraneio pelos reis D. Luís I e seu filho D. Carlos I, a antiga vila piscatória conheceu no séc. XX uma nova existência como estância balnear para os moradores da capital. Foi naquela localidade que Delfim Santos passou regularmente as férias de Verão nos últimos anos da sua vida, para o que contribuiu também o facto da sua filha mais velha, Elisabete, aí ter vindo a fixar residência após o casamento com Manuel Corrêa Gonçalves, jovem oriundo de família influente daquela vila.

Delfim Santos alugava um apartamento durante os cerca de três meses de férias académicas, entre julho e setembro, demasiado extensas para serem passadas num hotel. Em alguns anos a escolha recaiu num andar pertencente a uma irmã de Isabel da Nóbrega, a escritora então companheira de João Gaspar Simões, dois amigos com quem o casal Delfim e Manuela Santos convivia intensamente. Uma foto tirada na varanda desse apartamento da Rua José Florindo, em Cascais, mostra-nos em cima Delfim Santos com João Gaspar Simões e em baixo Rodolfo, filho de Delfim Santos, com o jornalista Jorge Tavares Rodrigues, irmão do escritor Urbano Tavares Rodrigues, ambos também grandes amigos seus:

DelfimSantos_GasparSimoes_JorgeTRodrigues_Rodolfo

Nesta outra imagem do verão de 1963 em Cascais vêem-se as senhoras: Isabel da Nóbrega, companheira de Gaspar Simões, Maria Christina, sogra de Delfim Santos, Maria Eugénia, esposa de Jorge Tavares Rodrigues e em baixo Manuela com a filha:

verao1963_

No ano de 1966, Delfim Santos alugou o apartamento do r/c esquerdo da Avenida de Sintra, antigo lote 17, hoje n.º 247:

20161118_175328l

Aqui foi tirada a sua última fotografia, ao lado de Manuela e dos filhos:

img625a_1_

No final das férias estivais veio a falecer às 23 horas do dia 25 de setembro devido a um infarto do miocárdio, ocorrido a dois meses de completar os 59 anos de idade, segundo consta do assento de óbito:

1966-09-26_assento_de_obito

Em todos os principais jornais do dia seguinte houve grande cobertura do velório na Igreja Paroquial de Cascais, ao qual comparecerem inúmeros colegas, alunos e funcionários da Faculdade de Letras de Lisboa e da Fundação Calouste Gulbenkian. Veja-se, por exemplo, o Diário de Lisboa (edição do Porto):

dlisboa-26-09-1966-p11

dlisboa-26-09-1966-p28